Você já viu uma baleia dormindo?

Um encontro acidental com um grupo de cachalotes dormindo abriu os olhos dos pesquisadores para alguns comportamentos desconhecidos do sono dessas criaturas marinhas gigantes. Contrariando as suposições anteriores, e ao contrário dos cetáceos menores, as baleias parecem entrar em um período de sono total. Mas eles também dormem por um tempo muito limitado por dia, sugerindo que eles poderiam ser os mamíferos menos dependentes do sono conhecidos.

Uma equipe liderada por Luke Rendell na Universidade de St. Andrew, Reino Unido, estava monitorando chamadas e comportamento em cachalotes (Physeter macrocephalus) na costa norte do Chile quando acidentalmente se desgarram no meio de uma vagem de baleias penduradas verticalmente na água, com seus narizes saindo da superfície. Pelo menos duas das baleias estavam de frente para o barco, mas nenhum animal se mexeu.

"Foi realmente muito assustador. O barco tinha entrado no grupo com seu motor desligado [enquanto] eu estava abaixo dos decks fazendo gravações acústicas", diz Rendell. "Uma vez que vi a situação, decidi que a melhor coisa a fazer era tentar sair do grupo em vez de ligar o motor e fazê-los reagir."


Os pesquisadores foram quase bem sucedidos, mas infelizmente cutucaram uma das baleias na saída. "Nós não tínhamos ideia de como eles reagiriam; cada um dos animais provavelmente pesava até o dobro do nosso barco, e poderia ter nos afundado. Se elas tivessem decidido agir coletivamente - como fazem contra as baleias assassinas - então poderíamos estar em apuros", diz Rendell. Felizmente para todos a bordo, depois de um choque inicial de atividade as baleias timidamente se afastaram, e em 15 minutos estavam balançando pacificamente na superfície novamente.

Quando o vídeo do encontro foi visto por Patrick Miller, também na Universidade de St. Andrew, a estranha observação começou a fazer sentido.


Miller e seus colegas haviam anexado anteriormente sensores de registro de dados a 59 cachalotes para monitorar a profundidade e os comportamentos dos animais enquanto viajavam ao redor do globo. Eles descobriram que as baleias passavam cerca de 7% do seu tempo à deriva inativas em águas rasas. O que elas estavam fazendo? Por que elas estavam fazendo isso tinha sido um mistério, mas ver imagens da experiência de Rendell esclareceu coisas: as baleias estavam dormindo.


Baleias e golfinhos só foram vistos permitindo que um hemisfério cerebral descansasse de cada vez, mantendo um olho aberto. Isso é presumivelmente porque eles precisam fazer coisas importantes que requerem atividade física, como vir à superfície para respirar ou evitar predadores. Eles nunca baixavam totalmente a guarda. Mas essas observações foram estritamente limitadas a ambientes cativos, onde as ondas cerebrais podem ser monitoradas facilmente, e não foram conduzidas nas baleias maiores.


Mas agora Miller, Rendell e seus colegas relatam na Biologia Atual que as cachalotes parecem dormir plenamente à deriva, seja na superfície, ou a 10 metros de profundidade. Suas sonecas parecem durar de 10 a 15 minutos, durante o qual eles não respiram ou se movem. Rendell e sua tripulação não puderam dizer se as cachalotes neste encontro tinham um olho aberto ou não, já que os olhos das baleias estavam debaixo d'água. Mas a total falta de resposta das baleias leva os pesquisadores a suspeitar que ambos os olhos estavam fechados.


Cochilos de energia


Se as baleias estão totalmente dormindo enquanto estão no modo de deriva documentado por Miller, então elas dormem muito pouco: apenas 7% do seu tempo. Isso contrasta fortemente com as baleias-cinzentas e belugas menores, que dormem por 32% e 41% do seu dia, respectivamente. Uma quantidade tão escassa de sono designa as cachalotes como os mamíferos menos dependentes do sono conhecidos. (O recordista atual é a girafa, que dorme por 8% do tempo.)


Mas também é possível que as cachalotes se envolvam em dois tipos de sono: o sono completo enquanto se afastam da superfície, e metade do sono, que ainda não foi documentado. "Esse achado levanta a possibilidade de que, na natureza, os cetáceos tenham flexibilidade no tipo e profundidade de sono que eles entram, o que é intrigante porque esse é o comportamento que temos visto nas aves também", diz Niels Rattenborg, especialista em sono aviário do Instituto Max Planck de Ornitologia em Seewiessen, Alemanha.


A limitação do estudo é que é observacional. Para confirmar a descoberta, a atividade de ondas cerebrais precisa ser medida em cachalotes na natureza. Mas a tecnologia para fazer isso está longe.


"Num futuro próximo, precisamos colocar um mergulhador na água com uma câmera observando as baleias enquanto dormem, para ver se dormem com um olho aberto", diz Rattenborg. Mas tal estudo pode ser muito perigoso. Embora as baleias não sejam agressivas com os humanos, um tapa de uma barbatana dorsal de uma baleia assustada seria devastador. "Eu certamente não vou ser o único a entrar na água com elas", diz Rattenborg.


Vídeo do canal Projeto Curioso:





Fonte:

https://www.nature.com/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boa-noite - Catharanthus roseus.

Algumas flores encontradas no Nordeste.

Xique-Xique (Pilocereus gounellei)