Quantas Varidades de Banana Você Conhece?

Banana, pacoba ou pacova é uma pseudobaga da bananeira, uma planta herbácea vivaz acaule da família Musaceae (género Musa - além do género Ensete, que produz as chamadas "falsas bananas"). São cultivadas em 130 países. Originárias do sudeste da Ásia são atualmente cultivadas em praticamente todas as regiões tropicais do planeta.

Vulgarmente, inclusive para efeitos comerciais, o termo "banana" refere-se às frutas de polpa macia e doce que podem ser consumidas cruas. Contudo, existem variedades de cultivo, de polpa mais rija e de casca mais firme e verde, geralmente designadas por plátanos, em língua espanhola, banana-pão ou banana-da-terra, em português, ou plantains, em inglês, que são consumidas cozinhadas (assadas, cozidas ou fritas), constituindo o alimento base de muitas populações de regiões tropicais. A maioria das bananas para exportação é do primeiro tipo, ainda que apenas 10 a 15 por cento da produção mundial seja para exportação, sendo os Estados Unidos e a União Europeia as principais potências importadoras.

As bananas formam-se em cachos na parte superior dos "pseudocaules" que nascem de um verdadeiro caule subterrâneo (rizoma ou cormo) cuja longevidade chega a 15 anos ou mais. Depois da maturação e colheita do cacho de bananas, o pseudocaule morre (ou é cortado), dando origem, posteriormente, a um novo pseudocaule.

As pseudobagas formam-se em "pencas" com até cerca de vinte bananas. Os cachos de bananas, pendentes na extremidade do falso caule da bananeira, podem ter 5 a 20 pencas e podem pesar de 30 a 50 kg. Cada banana pesa, em média, 125g, com uma composição de 75% de água e 25% de matéria seca. Bananas são fonte apreciável de vitamina A, vitamina C, fibras e potássio.

Ainda que as espécies selvagens apresentem numerosas sementes, grandes e duras, quase todas as variedades de banana utilizadas na alimentação humana não têm sementes, como frutos partenocárpicos que são, exceção feita à espécie Musa balbisiana, comercializada no mercado indonésio, excepcionalmente com sementes.

Devido ao elevado teor de potássio em sua composição, as bananas são levemente radioativas, mais do que a maioria dos outros frutos, sendo, inclusive, uma fonte natural de antimatéria (ela produz, em média, um pósitron aproximadamente uma vez a cada 75 minutos). Isso se deve à presença do isótopo radioativo potássio-40 (40K), regularmente distribuído no potássio ocorrente na natureza, apesar de que o isótopo comum, potássio-39 (39K), seja não-radioativo. Por esta razão, os ambientalistas em energia nuclear, por vezes, costumam referir-se à "dose equivalente em banana" de radiação para apoiar seus argumentos durante debates em congressos e encontros sobre a matéria. Embora a radioatividade da banana seja muito leve, todavia, grandes carregamentos da fruta em navios podem ser suficientes para disparar detetores ou sensores de radiação em determinadas circunstâncias. 

Mas afinal, quantos tipos de bananas existem???

Entre espécies cultivadas e selvagens, são quase mil tipos de banana espalhadas pelo mundo, todas identificadas pelo nome científico Musa. Elas têm os mais diversos tamanhos, da pequena Musa sapientum, a banana-ouro brasileira, que não ultrapassa 10 centímetros e 50 gramas, até a exagerada Musa ingens, que cresce nas florestas da Nova Guiné e atinge quase 1 quilo em seus 50 centímetros de comprimento. Alguns historiadores suspeitam que a banana seja a fruta mais antiga do planeta. Sua origem mais provável é o Sudeste Asiático. Pelas mãos dos romanos, a exótica novidade chegou à Europa no século 1 a.C. No Brasil, aportou junto com a bagagem dos portugueses, embora haja relatos de espécies nativas por aqui. O fato é que a fruta se adaptou ao clima, ao solo e ao paladar do brasileiro, que consome 27 quilos de banana por ano, 16 a mais que a média mundial. Difícil é dizer qual tipo é o mais saudável. “O valor nutritivo varia ligeiramente para cada espécie, mas todas as bananas têm características semelhantes. 

São frutas muito energéticas, com baixo teor de gordura e ricas em carboidratos, em vitaminas A, B1, B2, C e em vários minerais”, afirma a nutricionista Ana Catarina Perez Dias, da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar). O amido que a fruta possui fornece energia prolongada para os atletas, enquanto os altos teores de potássio evitam cãibras. 

“Sem falar que as bananas são fontes de fibras solúveis, substâncias importantes para diminuir o nível de colesterol no sangue e prevenir o câncer intestinal”, diz Ana Catarina. Não é à toa que a banana é a fruta mais popular do mundo. A produção anual de 70 milhões de toneladas concentra-se na região tropical do planeta e o Brasil é o terceiro produtor, atrás de Índia e Equador.


Devida a esta enorme quantidade de tipos de banana, torna-se praticamente impossível falar sobre cada uma delas. Senda assim, vamos relatar 11 variedades para você conhecer melhor.

1. Banana-ouro (Musa acuminata 'Lady Finger')

Com tamanho inferior a 10 centímetros, é o menor dos tipos nacionais, mas também o com maior número de calorias, 158 em cada 100 gramas. Encontrada desde o litoral de Santa Catarina até o Espírito Santo, possui uma polpa doce e perfumada. 

A banana-ouro é uma fruta híbrida, de nome científico Musa acuminata ou Musa acuminata colla. Ela é resultado do cruzamento de duas espécies selvagens da região biogeográfica da Malásia e da Indochina continental: Musa acuminata e Musa balbisiana.

2. Banana-prata (Musa x paradisíaca, L. Musaceae)


A banana prata tem origem no sudeste asiático, de onde foram levadas a todos os continentes. as variedades que hoje encontramos, são fruto do cruzamento de espécies.

Sua casca é bem amarela com pequenas manchas marrons. A polpa é branca com pequenos pontos pretos que são as sementes. Tem formato cilíndrico alongado. Seus frutos tem tamanho médio aproximado: de 9 a 15 cm. A casca, que apresenta cinco facetas, é bem lisa. Já a consistência da polpa é maior na extremidade e diminui no centro da fruta. Tem sabor doce: podendo ser consumida ao natural, frita, cozida ou desidratada.

Tem a vantagem de ser uma das mais duráveis, podendo ser consumida até quatro dias depois de amadurecer.  Não é das mais calóricas, são 89 calorias a cada 100 gramas, tem polpa consistente e pouco doce. Ela é rica em proteínas, carboidratos, fibras, vitaminas, minerais, ácido fólico e potássio. Recomenda-se o consumo de banana para o tratamento de pressão arterial, diarréia e insônia. 

3. Banana-nanica (Musa acuminata 'Dwarf Cavendish')

Também chamada de banana-d’água, o tipo mais popular no Brasil tem 87 calorias a cada 100 gramas. O nome vem do pequeno tamanho da bananeira, ideal para dar estabilidade contra ventos fortes. É levemente laxante. 

As bananas Cavendish receberam o nome de William Cavendish, 6º duque de Devonshire. Embora não seja o primeiro espécime de banana conhecido na Europa, por volta de 1834 Cavendish recebeu um carregamento de bananas cortesia do capelão de Alton Towers (então residência dos Condes de Shrewsbury ). Seu jardineiro, Sir Joseph Paxton, os cultivava nas estufas de Chatsworth House. As plantas foram descritas botanicamente por Paxton como Musa cavendishii , em homenagem ao duque.  

4. Banana-da-terra (Musa paradisiaca)

A banana-da-terra, banana-comprida, pacovã ou chifre de boi é um plátano de grande porte oriunda da África, chegando a aproximadamente 30 cm de comprimento e tem massa de aproximadamente 500 g cada fruto. Sua casca é amarela escura, com manchas pretas quando madura; polpa rosada e macia.

A banana-da-terra tem um dos lados plano, não é tão adocicada quanto os outros tipos de bananas e sua polpa também é mais consistente (mais densa), contendo amidos não digeríveis com facilidade, motivo para o qual nutricionistas não recomendam seu consumo cru e, portanto, ela é principalmente cozida, frita ou assada antes de ser consumida (no Brasil seu consumo se dá em maior escala na região Centro-Oeste, mas também nas regiões Norte e Nordeste).

É o tipo com mais quantidade de vitaminas A e C. A melhor pedida é usá-la em pratos cozidos ou fritos.

5. Banana-maçã (Musa acuminata × M. balbisiana (AAB Group) 'Silk')


Tem 100 calorias a cada 100 gramas. Exala um perfume que lembra o da maçã. Sua polpa branca e macia é recomendada para bebês e idosos, pois é a variedade de digestão mais fácil. Uma de suas características é prender o intestino. 

As bananeiras latundesas geralmente atingem uma altura de 3 a 4 metros. Eles requerem exposição solar total ou parcial. As flores são amarelas, roxas ou de cor marfim. Os frutos são de ponta arredondada com casca fina e amarela que se divide quando totalmente maduros. Eles são menores do que o cultivar Lacatan e as bananas Cavendish comercialmente dominantes. Eles têm um sabor ligeiramente ácido, semelhante ao de maçã .

6. Banana-selvagem (Musa balbisiana)

Musa balbisiana Colla é uma espécie selvagem de banana. Está na origem de muitas bananas comestíveis por sua hibridização com Musa acuminata e está associada à tolerância a estresses abióticos.

Uma de suas características que mais chama a atenção é tamanho de suas sementes. A Musa balbisiana tem sementes enormes que ficam bem visíveis.

7. Banana-vermelha (Musa sapientum rubra)

A banana-vermelha, como é popularmente conhecida, pertence ao grupo AAA, que é o mesmo da banana de Cavendish. É originária do Caribe. Também conhecida como Red Dacca( Austrália) , é apreciada em vários lugares do mundo, por seu sabor adocicado. O amadurecimento é rápido, a polpa é macia, rica em açúcares, potássio, muitas fibras e é menor que uma banana comum. Além disso, possui mais betacaroteno e vitamina C que outras variedades. Normalmente consumida quando está madura, ela é uma ótima opção para sobremesas. Cientistas recomendam come-la frita, assada ou cozida.

Originada de uma planta que pode chegar a 3m de altura e considerada uma das frutas mais antigas do mundo, a banana vermelha é cultivada principalmente na Ásia, América do Sul e África, e comercializada amplamente nos Estados Unidos. Sua produtividade e resistência é algo que chama atenção dos agricultores, que investem em seu plantio como forma de renda.

8. Banana-rosa (Musa velutina)

A banana-rosa é uma espécie diplóide de banana selvagem .  Essas plantas são originárias de Assam e do leste do Himalaia. 

Os frutos têm 8 cm de comprimento, são rosados ​​e felpudos. Eles são carregados em hastes de flores eretas com uma inflorescência rosa . Musa velutina floresce em tenra idade, o que ocorre dentro de um ano. Os frutos descascam quando maduros.

Muitas vezes é cultivada como planta ornamental, mas tem uma polpa macia e doce que pode ser comida. As sementes são bastante resistentes e podem lascar um dente. Para semear, primeiro mergulhe as sementes em água morna por 24 horas. Eles devem ser plantados em composto fino e mantidos a uma temperatura constante de 20 ° -24 ° C com luz natural total. Eles levam cerca de 6 meses para germinar. 

9. Banana-azul (Musa blue java)

É uma cultivar de banana resistente ao frio, conhecida por sua fruta aromática doce, que dizem ter uma consistência de sorvete e um sabor que lembra a baunilha. É nativa do Sudeste Asiático e é um híbrido de duas espécies de banana nativas do Sudeste Asiático - Musa balbisiana e Musa acuminata.

As bananeiras pode atingir uma altura de 4,5 a 6 metros. Elas são tolerantes ao frio e, como as bananas altas do Grupo ABB , são resistentes ao vento por causa de seus fortes pseudocaules e sistemas de raízes. As folhas são verdes prateadas. 

Os cachos das frutas são pequenos, com sete a nove mãos. Os frutos têm de 18 a 23 centímetros (7 a 9 polegadas) de comprimento e exibem uma cor azul prateada característica quando verdes. O fruto torna-se amarelo claro quando maduro, com polpa branca e cremosa. Florescem em torno de 15 a 24 meses após o plantio e podem ser colhidas após 115 a 150 dias.

10. Banana-siamesa (Musa Pisang Awak)

É uma cultivar de banana comestível pertencente ao grupo de cultivares de banana AABB. Esta cultivar é cultivada em todo o mundo. É preferido em relação às variedades por seus múltiplos usos, enquanto outras variedades são valorizadas pela fruta.  As flores de bananeira (na fase de produção da flor masculina) e o pseudocaule, embora adstringente , são consumidos como vegetais . As folhas dobradas são usadas como um recipiente para fazer curries cozidos no vapor , incluindo peixe amok e ansom chek, no qual a fragrância das folhas de bananeira é transferida para o alimento que está sendo cozido. 

11. Banana-gigante (Musa Ingens)

Esta é a maior banana do mundo. A bananeira pode chegar a 15m de altura, cerca de um metro de diâmetro na base e uma altura total de 20m ou mais, é a detentora do recorde indiscutível de maior e mais alta das bananas e a maior planta não lenhosa no mundo. Seus frutos podem chegar a 30cm de comprimento.


A Musa ingens é nativa de florestas tropicais montanhosas em toda a Nova Guiné entre cerca de 1300 e 2000m de altitude e geralmente encontrada em locais úmidos, em ravinas íngremes ou nas bordas de pântanos de terras altas.


Fontes:

https://www.yarabrasil.com.br

https://pt.wikipedia.org/

https://revistacasaejardim.globo.com

https://www.mundoecologia.com.br

https://super.abril.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boa-noite - Catharanthus roseus.

Algumas flores encontradas no Nordeste.

Xique-Xique (Pilocereus gounellei)