10 Animais Lindos

A natureza, como sempre bela, abriga seres de uma beleza inigualável. Monera, Protista, Fungi, Plantae ou Animalia. Não importa o reino, em todos eles encontramos seres fascinantes. 

Nesta postagem, reunimos 10 lindos seres do Reino Animal:

1. Panda-gigante (Ailuropoda melanoleuca);

O panda-gigante é um mamífero de cor preto e branco que come bambu (folhas). A pelagem é grossa e lanosa para suportar as baixas temperaturas no ambiente subalpino em que vive. As manchas oculares, membros, orelhas e uma faixa que atravessa os ombros são negras; alguma vezes com um tom acastanhado. As restantes partes do corpo são brancas, mas podem-se tornar "encardido" com a idade. A população da região de Qingling apresenta a pelagem em dois tons contrastantes de castanho.

O crânio e a mandíbula são robustos, a crista sagital é bem desenvolvida, e os arcos zigomáticos são expandidos lateralmente e dorsoventralmente, assim como nos demais carnívoros arctóideos. Difere dos outros ursídeos, por apresentar a fissura orbitária confluente com o forame redondo, os processos pós-orbitais são reduzidos, e o canal alisfenóide é ausente. Apresenta o forame intepicondilar, uma características primitiva, somente compartilhada com o Tremarctos ornatus.

            

2. Coelho Angorá (Oryctolagus cuniculus)                       

O coelho Angorá é uma raça de coelho originária da Turquia, mais especificamente da região de Ancara, de onde também vem o gato Angorá. Originalmente, esses lagomorfos foram desenvolvidos principalmente para a exploração de sua pelagem, usada para fabricar a valiosa fibra conhecida como lã de angorá.

Anos mais tarde, em meados do século XVIII, os coelhos Angorá começaram a se tornar populares como animais de companhia, depois de serem adotados como animais de estimação pela realeza francesa. Antes do final do mesmo século, eles já haviam se espalhado por todo o continente europeu, graças à sua aparência encantadora e sua personalidade calma e amigável. Durante o século 20, eles começaram a ser "exportados" para os Estados Unidos, onde também conquistaram uma rápida popularidade.

3. Cavalo Frísio (Equus robustus)


Frísio (ou frisão), também chamado de friesian, é uma raça de cavalos de cor negra originária da Frísia. É um animal de temperamento dócil e fisicamente bastante robusto. É criado principalmente na Frísia, litoral norte dos Países Baixos, de onde se origina seu nome.


Devido ao seu esplêndido trote, o frísio foi também usado posteriormente para trabalhos leves. Isto, infelizmente, limitou o seu uso na agricultura e conduziu ao declínio do número de animais no início do século XX. Mede entre 1,65 m e 1,75 m na cernelha. Destaca-se por ser um excelente animal de tiro, embora também seja utilizado como animal de sela. É um animal fácil de ser mantido do ponto de vista econômico, e é muito dócil. Sua popularidade foi alcançada em filmes famosos como FEITIÇO DE ÀQUILA e muitos outros.

4. Periquito arco-íris (Trichoglossus haematodu)


O periquito-arco-íris, tembém lóris-arco-íris (nome científico: Trichoglossus haematodus) é uma espécie de ave da família Psittacidae, que é encontrada na Austrália, Indonésia, Ilhas Salomão, Nova Caledônia, Vanuatu e Papua Nova Guiné. A espécie possui um padrão de cor completamente diferente de outras espécies, tendo as penas das cores do arco-íris, o que dá origem ao seu nome. 


São aves bastante ativas, podendo ser encontradas em bosques, florestas tropicais e áreas urbanas arborizadas. Se alimentam de frutas, sementes, insetos e néctar, e para isso possuem uma língua especializada que é revestida por pelos. 

Costumam fazer um enorme barulho durante o voo, e durante a época reprodutiva, as fêmeas depositam e chocam seus ovos em buracos em madeira em decomposição. Após o nascimento da ninhada, os machos ficam responsáveis pela alimentação.

5. Borboleta Rainha-de-Madagáscar (Chrysiridia rhipheus)


Chrysiridia rhipheus possui asas com envergadura máxima de 7 a 10 centímetros, podendo chegar a até 11 centímetros, sem grande dimorfismo sexual entre macho e fêmea. Possui, vista por cima, tom geral enegrecido, com manchas esverdeadas e brilhantes atravessando e pontuando suas asas anteriores. Nas asas posteriores a tonalidade tende para o azul-celeste, bem pálido, com uma característica área, em sua metade inferior, contendo uma mancha com tonalidades em amarelo, vermelho, laranja, cor-de-rosa e púrpura, podendo ser avistados três prolongamentos franjados e desenvolvidos como caudas, de margem branca, nesta área, e três menores logo acima. 


O lado de baixo apresenta coloração similar à das asas posteriores do animal quando visto por cima e sua mancha de cores quentes, nas asas posteriores, é mais extensa, não apresentando uma forte tonalidade púrpura. As variações nos padrões de coloração são comuns e, muitas vezes, ela é parcialmente assimétrica. Um dos fatores que causam isto é o choque térmico durante o estágio pupal. Embora brilhantemente adornada essa mariposa não possui pigmentação, com suas cores se originando de uma interferência óptica.

6. Beija-flor-de-peito-castanho (Boissonneaua matthewsii)


O beija-flor-de-castanho, também chamado de colibri-de-peito castanho, beija-flor-de-peito-vermelho ou colibri-de-peito-vermelho, é uma espécie de ave da família Trochilidae, ordem dos Apodiformes. Vive nas florestas úmidas do sopé da Cordilheira dos Andes, na Colômbia, Equador e Peru.

Os machos e fêmeas desta espécie são muito semelhantes em tamanho e cor de sua plumagem. Medem cerca de 12 cm de comprimento e pesam cerca de 7,5 gramas. Seu bico é curto, reto e notavelmente grosso. A sua plumagem é de cor verde metálico intenso no dorso, com o peito e o ventre de cor avermelhada característica e distinta.

7. Comedor de Abelhas - Merops viridis


O Merops viridis é uma espécie de ave da família dos Abelharucos. Eles são encontrados em todo o sudeste da Ásia em florestas de mangue tropicais ou subtropicais. Sua dieta consiste principalmente de abelhas, vespas e libélulas. 


Os Comedores de Abelhas são pequenos, com uma plumagem colorida que consiste em uma nuca vermelha, asas verde-escuras, peito verde-claro e sua garganta azul característica. A plumagem juvenil contém cabeça e asas verdes escuras e seios verdes claros, apenas desenvolvendo sua plumagem completa na idade adulta. Eles têm uma rica variedade de canções e chamadas, incluindo chamadas longas que lhes permitem se comunicar a longas distâncias na floresta.

8. Cavalo-Marinho


Os cavalos-marinhos caracterizam-se por terem uma cabeça alongada, com filamentos que lembram a crina de um cavalo, e por exibirem mimetismo semelhante ao do camaleão, podendo mudar de cor e mexer os olhos independentemente um do outro. Nadam com o corpo na vertical, movimentando rapidamente as suas barbatanas. Algumas espécies podem ser confundidas com plantas marinhas, corais ou anêmonas marinhas. Geralmente medem entre 15 e 18 centímetros, mas podem medir desde 13 a 30 centímetros, dependendo da espécie, com peso entre 50 e 100 gramas. Vivem em águas de regiões de clima temperado e tropical.

Todas as espécies de cavalos-marinhos estão em perigo de extinção. Uma das causas é pesca predatória e a destruição de habitat. Outra causa é o captura frequente deles para serem usados como peça de decoração ou simplesmente serem criados em um aquário.

Existem duas espécies brasileiras de cavalos-marinhos, o Hippocampus erectus e o Hippocampus reidi.

(Hippocampus erectus)

(Hippocampus reidi)

9. Peixe cirurgião-azul-claro (Acanthurus leucosternon)


Acanthurus leucosternon é um peixe marinho tropical pertencente à família dos peixes cirurgiões, Acanthuridae. Seus nomes comuns são Peixe-Cirurgião-Azul-Claro e Espiga Azul.
Os peixes podem atingir um tamanho médio de 23 cm. De comprimento. O corpo tem formato oval e é comprimido lateralmente. Como outros peixes-cirurgião, o Acanthurus leucosternon nada com suas nadadeiras peitorais. A barbatana caudal tem forma de crescente.


O peixe tem um "bisturi de cirurgião", uma parte ereta da espinha localizada na base da cauda. A boca é pequena e pontiaguda em forma de bico, com dentes minúsculos e afiados para alcançar espaços estreitos de comida. Seus lados são azuis; sua nadadeira dorsal e a base da nadadeira caudal são amarelas; a cabeça é preta; a boca, a área da garganta, as nadadeiras anal e pélvica são brancas. As barbatanas peitorais são transparentes com reflexos amarelos. A intensidade de sua cor azul mostra se o peixe é saudável ou não. O peixe não sofre mudanças de cor à medida que amadurece; como alguns espigões, peixes cirurgião e unicórnio fazem.


10. Peixe Mandarim (Synchiropus splendidus)


O peixe-mandarim é um peixe perciforme de água salgada adaptado ao clima tropical que mede de 6 a 10 centímetros de comprimento. Vive escondido em fendas nos recifes de coral e alimenta-se de pequenos animais marinhos que passam próximos ao seu esconderijo. Também é encontrado, com menos frequência, em águas rasas protegidas, como lagoas costeiras e pequenas baías. Por precisar de muitos nutrientes diferentes, às vezes o peixe-mandarim também come pequenas quantidades de algas e outros flocos que possam lhe servir de alimento.


O peixe-mandarim é um peixe exuberante e tímido e por isso é muito usado em aquários como animal de estimação. Possui cores fortes, brilhantes e desenhos organizados agressivamente em sua pele. Essa característica é, de fato, um mecanismo de defesa contra predadores, indicando que a carne do peixe-mandarim tem gosto ruim, já que seu corpo produz um muco viscoso de gosto e cheiro horrível.


Fontes:

https://pt.wikipedia.org

https://www.portalvideo.blog.br/2018/07/os-10-animais-mais-bonitos-do-mundo.html

http://www.mundogump.com.br/top-seres-coloridos/

https://www.peritoanimal.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boa-noite - Catharanthus roseus.

Xique-Xique (Pilocereus gounellei)