Você conhece a Galinha-d'água?


A Galinha-d'água (Gallinula chloropus.), também conhecido com Frango-d'água é uma das aves aquáticas mais comuns em todo o Brasil, porém é rara na Floresta Amazônica e no Pantanal.

Em alguns estados pode receber outros nomes como galinhola (Rio Grande do Sul), jaçanã-galo (Paraíba) e galinha-peituda (Rio de Janeiro).
  • Nome em inglês: Common Gallinule
  • Família: Rallidae
  • Tamanho: 37 cm
  • Dimorfismo sexual: não
  • Alimentação: vegetação aquática, invertebrados e pequenos vertebrados
  • Habitat: lagos, lagoas, açuedes, canais, pântanos e também lagunas salobras.

Nome científico


Seu nome científico significa: do (latim) gallinula = diminutivo de gallina = pequena galinha; e do (latim) galea, galeatus = elmo, capacete romano. ⇒ Pequena galinha com capacete.

Características

É todo cinza escuro e parece preto à distância, com uma série de linhas brancas largas sob a asa fechada. Embaixo da cauda, ​​ha uma área branca. Na testa, há uma grande proteção na cor vermelha que se conectada à pele, também vermelha, da base do bico.

A pele é amarela e apenas a ponta é visível. As pernas e os pés apresentam coloração amarelada. Ao lado do corpo, as pernas são avermelhadas. Seu canto, "ki-ki", tem um tom agudo. 

Existem também indivíduos com plumagem leucística determinada por uma particularidade genética devida a um gene recessivo peculiar e que pode fazer o animal, que geralmente tem plumagem escura, ficar branco. O leucismo é diferente do albinismo. Animais leucísticos não são tão sensíveis ao sol como os albinos. Pelo contrário, sua resistência é ainda maior, porque o branco tem um alto albedo e pode proteger melhor do calor.


Caminha sobre a vegetação mais densa, em busca de invertebrados e, ocasionalmente, de pequenos vertebrados, embora sua dieta principal sejam as plantas.

Reprodução

Os ninhos são construídos na vegetação brejeira, em suas margens ou em grandes plataformas flutuantes feitas de vegetação aquática. O sistema reprodutivo muda de um casal, dois machos para uma fêmea ou duas fêmeas para um macho. Às vezes, ela põe seus ovos em ninhos de outras florestas e os deixa para serem adotados por outras aves. 

O ninho fica exposto ou semi-exposto na água, cuidadosamente trabalhado, e o tempo de construção é de 6 a 8 dias. Costuma por de 6 a 9 ovos e estes têm coloração esverdeada com pintas castanhas claras e escuras, distribuídas por toda a superfície.  O período de incubação é de 19 a 22 dias. Os filhotes ficam no ninho por 1 a 2 dias.

Subespécies

Possui sete subespécies reconhecidas: 
  • Gallinula galeata galeata (M. H. C. Lichtenstein, 1818) - ocorre da Venezuela, e Guianas até o norte da Argentina, Uruguai e Brasil. Também ocorre na ilha de Trinidad no Caribe;
  • Gallinula galeata cachinnans (Bangs, 1915) - ocorre do sudeste do Canada até o oeste do Panamá. Também ocorre nos arquipélagos de Bermuda e Galápagos;
  • Gallinula galeata cerceris (Bangs, 1910) - ocorre nas Antilhas no Caribe;
  • Gallinula galeata barbadensis (J. Bond, 1954) - ocorre em Barbados no Caribe;
  • Gallinula galeata pauxilla (Bangs, 1915) - ocorre do leste do Panamá até o norte e oeste da Colômbia, na região árida do oeste do Equador e no noroeste do Peru;
  • Gallinula galeata garmani (J. A. Allen, 1876) - ocorre na região andina do Peru, Chile, Bolívia e no noroeste da Argentina;
  • Gallinula galeata sandvicensis (Streets, 1877) - ocorre nas ilhas do arquipélago do Havaí.
Fontes:
http://apassarinhologa.com.br/
https://www.wikiaves.com.br/
https://pt.wikipedia.org/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boa-noite - Catharanthus roseus.

Xique-Xique (Pilocereus gounellei)