Pages

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Orquídeas parecidas com animais!

Orquídea-de-macaco. O nome científico é Dracula simia: “simia” está relacionado a macacos e “Dracula” refere-se a estas pétalas alongadas como presas de “vampiro”. Infelizmente não são orquídeas muito comuns, só crescem naturalmente ao sudeste do Equador e Peru em altitudes de 1.000-2.000 metros em florestas úmidas e nebulosas das montanhas. O que torna esta flor ainda mais fantástica (como se fosse necessário) é que ela tem um cheiro característica de laranja madura quando está florescendo.
Oquídea-abelha. O nome científico é Ophrys apifera  . Ao centro da flor as pétalas formam uma imagem parecida com a abelha fêmea, geralmente do gênero Eucera, e serve para atrair machos interessados na cópula. Com a visita do macho que acaba se lambuzando no pólen, a flor garante sua polinização. Você pode encontrar estas orquídeas surpreendentes espalhadas sobre a Inglaterra, Irlanda e País de Gales em locais de climas temperados sobre rochas, dunas calcárias ou em bosques abertos. É uma planta bastante comum na área mediterrânica a leste do Mar Negro. Cresce até aos 30 cm e vive em simbiose com Micorriza (um fungo presente no solo).


Orquídea-cabeça-de-pássaro. Pertencem ao gênero Phalaenopsis sp. e sua beleza encanta pois as formações das pétalas centrais da flor assemelham-se muito a cabeça de um pássaro. Mesmo observando bem de perto a semelhança é surpreendente. Seu cultivo já alcançou os quatro cantos do planeta, mas são nativas de todo o sudeste da Ásia, nas Filipinas e no norte da Austrália. A maioria das orquídeas deste gênero é epífita e crescem abaixo das copas de florestas de várzea úmida e úmida, protegidos contra a luz solar direta, outros crescem em ambientes sazonalmente secos ou frescos.
 
Orquídea-garça-branca. O nome científico da espécie é Habenaria radiata e não necessita de explicações. Ela se parece mesmo com uma garça branca em pleno voo. É uma pequena orquídea terrestre das zonas úmidas e encostas gramadas do Japão, a península coreana, e algumas partes do leste da China. O pedúnculo costuma abrigar de 2 a 8 flores, elas são pequenas com apenas 4 cm de largura. Cresce principalmente em pântanos de terras altas e nas encostas das montanhas. Apesar da sua facilidade no cultivo, na natureza ela parece estar em processo de extinção e não podem mais ser encontradas com tanta facilidade.


Orquídea-da-pomba ou Orquídea-Espírito-Santo. O nome científico é Peristeria elata e elas possuem uma formação de pétalas mais ao centro da flor com aparência de uma pombinha. São vistas com mais frequência nas florestas montanhosas úmidas do Panamá (América Central), Colômbia e Equador (América do Sul). O cheiro da flor lembra cerveja. Infelizmente também está em grave perigo de extinção, devido à sua grande beleza, fazendo com que os traficantes para levá-lo longe de seu habitat, tanto que aqui mesmo no Brasil, em vários orquidários já é uma espécie bem comum.

Orquídea-pato-voador. Conhecido cientificamente como Caleana grande. É uma pequena orquídea encontrada no leste e no sul da Austrália, é caracterizada por sua flor notável, assemelhando-se um pato em voo. A flor é um atrativo para insetos, como os vespões machos que polinizam a flor em um processo conhecido como pseudocópula. Infelizmente, esta espécie não se dá bem no cultivo, geralmente as plantas florescem durante um ou dois anos, mas, por vezes, enfraquecem progressivamente até morrerem. Em 1986, foi destaque em um selo postal australiano.

1 comentários:

Obrigado pela sua participação!

 

Blogger news

Nº de Visualizações

About